ArtículosCoreaDestacado

Liberar los mares

LIBERTAR OS MARES

Setenta e dois anos depois do início de sua mega revolução, a República Popular da China distende suas Novas Rotas da Seda, as continentais e as marítimas, desafiando a multiculturalidade global, desafiando a inteligente emergência de todos, desperta para as potencialidades do século XXI e para o futuro de desenvolvimento sustentável que se apresenta hoje! (https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/china-2021-2025-669466).

O segredo é um Partido Comunista capaz de respeitar o que de civilização e de paz redunda do passado, intimamente associado ao colectivo dum povo multicultural, ávido de lógica com sentido de vida por cima de todos os traumas que também viveu nos contactos tidos com a barbaridade que os anglo-saxões lhe levaram até há apenas um século atrás!…

Por via de seus planos quinquenais e programas de superação que conseguiu espevitar absorvendo ciência e tecnologia e melhorando sempre as condições de vida de largas centenas de milhão de pessoas, (já vão no 14º plano, 2021/2025), a China “transborda” muito para além de suas fronteiras, colocando-se numa vanguarda que privilegia o comércio, a interconexão, a articulação e a emergência, só recorrendo à panóplia militar por que a isso a obriga a barbárie anglo-saxónica e suas caóticas sequelas, em que se refugia hoje no “hegemon”!

 

01– A Marinha do Exército Popular de Libertação é um dos expoentes dessas capacidades de superação expostas nos seus planos quinquenais, quando a China está já a reinventar-se a si própria abrindo-se ainda mais ao exterior e isso ficou patente, no acto da comemoração dos seus 72 anos de existência!

Neste momento é também uma das principais prioridades da República Popular da China, tendo em conta a intensidade das Novas Rotas da Seda marítimas, por que as continentais já possuem as bases infraestruturais, estruturais e muitos processos articulados de superação (em curso), ao longo do paralelo Euroasiático, de Londres a Vladivostock!

F:\PRODUÇÕES\2021\MJ - ABR 21\LIBERTAR OS MARES - 01..jpg

CITIC to invest US$113 billion in ‘One Belt, One Road’ initiative – STATE-OWNED CITIC (China International Trust and Investment Corporation) said that its banking, securities, trust and construction divisions will invest CNY700 billion (US$112.79 billion) to support China’s new «One Belt, One Road» initiative. – https://www.seanews.com.tr/citic-to-invest-us-113-billion-in-one-belt-one-road-initiative/150851/

São visíveis os efeitos da aplicação dos planos quinquenais aos dispositivos navais, que vão desde o crescimento científico, tecnológico e físico dos estaleiros navais disponíveis, aos mega portos definidores de corredores de penetração nos continentes e aos conceitos que vão sendo introduzidos levando sempre em consideração os passos dados no passado que necessitam de, quinquénio a quinquénio, mais esmero e superação, acompanhando os resultados do crescimento!

 

02– A Marinha do Exército Popular de Libertação da RPC registou a 23 de Abril de 2021 um facto inédito: pela primeira vez a Frota Sul da China (a que está responsável pelo Mar da China Meridional e se prepara para se distender até ao Índico Norte onde já possui a base avançada de Djibouti), recebeu naves de grandes dimensões e missões distintas, (de superfície e subaquáticas) que implicam navegabilidade de longo-raio de acção em oceanos abertos!

Essas naves, dadas as suas características distintas são um exemplo da panóplia de tecnologias que a China continua a desenvolver integrando processos cada vez mais avançados e aptos a todo o tipo de articulações e módulos!

São elas: o submarino nuclear portador de mísseis balísticos do tipo 04IV aperfeiçoado (Changzheng-18), o destroyer lança-mísseis do tipo 055 (Dalian) e o navio de assalto anfíbio polivalente do tipo 075 (Hainan).

Qualquer um deles supera os navios com o mesmo tipo de funções que foram construídos nos planos quinquenais anteriores, mas de forma a com eles se entrosarem, reforçando as aptidões no cumprimento de missões de cada vez maior espectro!

A Marinha do Exército Popular de Libertação da RPC, nesta data do seu 72º aniversário, já é em número de vasos a maior do mundo (a esmagadora maioria de embarcações com menos de 20 anos) e a segunda em tonelagem, logo a seguir à Marinha de Guerra dos Estados Unidos!…

 

03– O facto das três naves terem sido integradas na Frota dos Mares do Sul, põe em evidência a atenção e a prioridade que as linhas de navegação que por esse mar passam estão a merecer (a Frota Meridional é a maior componente das três frotas chinesas), até por que é lá onde se registam tensões internacionais distintas das que se relacionam com Taiwan, Coreia do Sul ou Japão, inclusive com a Marinha de Guerra dos Estados Unidos que cumpre com as bárbaras intervenções do “hegemon” no que pretende ser o “seu dócil ultramar”, inclusive a tentativa de bloquear por mar a China (tirando partido das suas bases e articulações no Pacífico e Índico Norte)!

Uma grande parte dos produtos energéticos que a China adquire no exterior, chegam através do Mar da China Meridional, onde foram desenvolvidos indispensáveis dispositivos de presença ocupando as ilhas Paracel e Spratly, no enorme funil marítimo de aproximação.

F:\PRODUÇÕES\2021\MJ - ABR 21\LIBERTAR OS MARES - 04...png

The South China Sea is an important world energy trade route – https://www.eia.gov/todayinenergy/detail.php?id=10671

O porto de Sanya, situado no ponto mais a sul da ilha de Hainan (32.900 km2) no sudeste da China, foi o local escolhido para a entrega das naves, acto a que, dada a sua importância, esteve presente o Presidente Xi.

F:\PRODUÇÕES\2021\MJ - ABR 21\LIBERTAR OS MARES - 03..jpg

Xi Jinping participa de cerimônia de comissionamento de navios de guerra – http://portuguese.people.com.cn/n3/2021/0425/c309809-9843140-3.html

A Província insular de Hainan (33.920 km2), é multicultural, multiétnica e multilinguística e é composta da ilha maior, mais 200 outras pequenas ilhas, sendo a partir da pequena cidade de Sansha (a prefeitura chinesa de menor área, de menor densidade populacional e a que possui a maior extensão marítima da China), na micro ilha de Yongxing, que são administrados os controversos arquipélagos do sul, as ilhas Spratly e as Paracel que são levados como grande prioridade da China na geoestratégia e missões da Frota do Mar do Sul, tendo em conta as Novas Rotas da Seda marítimas e os planos quinquenais!

 

04– Esse conjunto de dispositivos navais instalados no Mar da China Meridional atribuído à Frota do Sul, articula-se com outros dipositivos cuja implementação se vai sucedendo, à medida que a China vai desencadeando seus multi facéticos esforços com outros, em função dos grandes projectos em curso de comum interesse, infraestruturais e estruturais (Sudeste Asiático, Paquistão, Irão…)

Os planos visam concertar, num âmbito de interesses comuns, acções de paz, de comércio, de indispensáveis infraestruturas e estruturas (ferrovias, rodovias, portos, entrepostos de envergadura variável e transportes de toda a ordem, terrestres, marítimos e aéreos), face às pretensões do bárbaro “hegemon” anglo-saxónico cuja única disposição é o domínio unilateral pela força, semeando ingerências, manipulações, divisões, desagregação, caos e terrorismo, como se o mundo fosse a continuação do seu “original” e genocida “far west”!

Os navios multifunções de desembarque e assalto (capazes também de cumprir com missões civis para onde quer que sejam destacados), atingiram um nível de concepção que os definem já como unidades de vanguarda nas respectivas classes, no umbral da nova vaga que se avizinha já em vantagem global!

Ao longo deste quinquénio e do próximo, as concepções ora inauguradas com a entrada das três naves, vai-se assistir ao multiplicar de unidades e os estaleiros chineses já adquiriram capacidades para as produzir rapidamente, preparando-se para o próximo passo do 15º quinquénio, de 2025/2030.

Em Xangai a China está a construir um novo estaleiro com maiores dimensões que os anteriores.

Se na classe anterior de transporte de anfíbios (a 071), as naves construídas foram 8, cuja tonelagem de deslocamento atingiu a cifra de 25.000 e cujo comprimento é de 210 metros, (todas elas no activo), a classe 075 ora inaugurada (presume-se que serão construídos 10 navios), dispondo de convés corrido na coberta superior, possui 40.000 toneladas de deslocamento e um comprimento de 237 metros, integrando tecnologias e módulos operativos mais modernos e com acrescidos meios (20 helicópteros multiusos de grande capacidade), assim como espaço para um número maior (1.200) de fuzileiros navais, ou outros contingentes (dependendo das iniciativas e das missões).

Acompanhar o movimento de navios das Novas Rotas da Seda marítimas e reforçar os pontos de apoio, são missões de paz indispensáveis face à barbaridade anglo-saxónica destrutiva e agressiva dum “hegemon” que “no ultramar” disseminou 800 bases, uma grande parte bases navais, a fim de se autoafirmar como “polícia do mundo” e imaculado “defensor da democracia”!

A base naval chinesa em Djibouti, cujas funções são o apoio à promoção da paz com garantia de segurança e liberdade marítima, tornou-se indispensável enquanto articulação do sistema de vigilância no Índico Norte, entrada do Golfo Pérsico e Mar Vermelho, nada tendo a ver nessas suas funções e objectivos com as bases navais francesas, britânicas, da NATO e dos Estados Unidos, inclusive as instaladas no próprio Djibouti ou ali próximo, em Diego Garcia (a sul da península Hindustânica!

A base da RPC em Djibouti articula-se mais com dois portos de muito recente construção, cuja motivação é chave para as perspectivas das Novas Rotas da Seda: Gwadar, no sudoeste do Paquistão (saída para o mar da própria China Ocidental, juntando interesses com o Paquistão) e Chandahar, no sudeste do Irão, uma iniciativa da Índia com vista à instalação do corredor na direcção do Afeganistão e da Ásia Central, um porto que tende também a suportar parte das iniciativas com a China em relação ao Irão!

Face à grande pirataria nos mares (a pirataria levada a cabo pelo “hegemon” nos seus expedientes de domínio, de exclusividade, de ingerência e de manipulação é a maior de todas), a China e a Rússia assumem a grande quota-parte de libertar os mares dos privilégios dos bárbaros, algo que já está a ser também seguido e implementado por outros emergentes como o Irão e numa altura em que, a norte, o Ártico se apresta a todo o ano ficar disponível para a navegação (libertando a compressão a sul, no Mar da China Meridional, no Estreito de Malaca, no Índico Norte, no Mar Vermelho e no Canal do Suez)!

A Nova Rota da Seda no Mar da China Meridional, no Estreito de Malaca e no Índico Norte vai ser mesmo assim crucial para a aproximação da China a África e essa é uma das razões do empertigamento do “hegemon” na tentativa de bloquear particularmente as capacidades China-Rússia-Irão nos oceanos e nos mares do Sul Global!…

Em relação ao Atlântico, a pirataria a que se tem assistido em relação aos pressupostos de animação do bárbaro “hegemon” particularmente em relação a Cuba bloqueada e à Venezuela Bolivariana insubmissa, assim como em relação à navegação do Irão que tem sido alvo preferencial do sionismo, haverá um reforço no sentido da liberdade, que se está a começar a sentir no Mediterrâneo oriental, onde o “tabuleiro” da hegemonia começou a ser basculhado em torno do Médio Oriente Alargado!

Libertar os mares da pirataria anglo-saxónica é uma missão de todos os componentes do Sul Global!

 

Luanda, 27 de Abril de 2021


Consultas:

. Império equivocado – https://frenteantiimperialista.org/blog/2020/07/04/imperio-equivocado/

. Anemia imperial en el Ártico – https://frenteantiimperialista.org/blog/2020/12/16/anemia-imperial-en-el-artico/;

. La somalización de África – https://frenteantiimperialista.org/blog/2020/09/25/la-somalizacion-de-africa/;

. Belt and road initiative – http://www.xinhuanet.com/silkroad/english/index.htm;

. Dilemas e desafios da Nova Rota da Seda – https://outraspalavras.net/geopoliticaeguerra/dilemas-e-desafios-da-nova-rota-da-seda/;

. Chabahar Port – Irão – https://thediplomat.com/tag/chabahar-port/;

. Gwandar Port – Paquistão – https://thediplomat.com/tag/gwadar-port/;

. Djibouti Port –Terminal Doraleh – Djibouti – https://thediplomat.com/2019/03/china-in-djibouti-the-power-of-ports/;

. A China e o ÁRTICO – https://www.sociedademilitar.com.br/2018/02/geopolitica-china-e-o-artico.html;

. MIXED SIGHT: NEW ZEALAND, THE FIVE EYES AND CHINA – https://southfront.org/mixed-sight-new-zealand-the-five-eyes-and-china/;

. Botadura sin precedentes – Pekín refuerza su flota del mar de la China Meridional con dos buques de guerra y un submarino nuclear – https://actualidad.rt.com/actualidad/390504-china-buques-submarino-nuclear-meridional;

. HAPPY BIRTHDAY TO CHINA’S NAVY: EPIC VIDEO SHOWING CHINESE NAVAL MIGHT RELEASED ONLINE – https://southfront.org/happy-birthday-to-chinas-navy-epic-video-showing-chinese-naval-might-released-online/

. The Future of China’s Amphibious Assault Fleet – https://thediplomat.com/2019/07/the-future-of-chinas-amphibious-assault-fleet/

. China’s New Amphibious Assault Ship Sails into the South China Sea – https://www.csis.org/analysis/chinas-new-amphibious-assault-ship-sails-south-china-sea;

. Marinha Chinesa incorpora três navios de guerra em um só dia – https://www.naval.com.br/blog/2021/04/24/marinha-chinesa-incorpora-tres-navios-de-guerra-em-um-so-dia/;

. Reforço militar da China em torno das ilhas disputadas suscita “fortes preocupações”, afirma Japão – https://br.sputniknews.com/asia_oceania/2021042717413587-reforco-militar-da-china-em-torno-de-ilhas-disputadas-suscita-fortes-preocupacoes-afirma-japao/;

. Vídeo mostra míssil supersónico chinês atingindo navio-alvo no mar – https://br.sputniknews.com/defesa/2021042717415528-video-mostra-missil-supersonico-chines-atingindo-navio-alvo-no-mar/;

. O pacto China-Irão é decisivo – https://www.resistir.info/irao/pacto_china_abr21.html;

. Moscú advierte que reaccionará con dureza ante cualquier intento de EE.UU. de cruzar sus «líneas rojas” – https://actualidad.rt.com/actualidad/390616-moscu-advierte-reaccionara-dureza-eeuu-cruzar-lineas-rojas;

. Conversatorios Internacionalistas: Procesos contrahegemónicos en el mundo actual – https://frenteantiimperialista.org/conversatorios-internacionalistas-procesos-contrahegemonicos-en-el-mundo-actual/.

Comments are closed.