D:\PRODUÇÕES\2022\MJ - AGO 22\QUEIMA..jpeg
ArtículosCampaña OTAN no, bases fueraDestacadosEste de Europa

A LUTA DE LIBERTAÇÃO EM APARENTE CADÊNCIA DE PASSO A PASSO.

AO 6º MÊS DESACELEROU DELIBERADAMENTE A RAPIDEZ DO QUE FALTA LIBERTAR NO DONBASS.

A SUL, NO TERRITÓRIO DE NIKOLAIV PELO CONTRÁRIO, AUMENTOU DE FORMA PROPOSITADA A PRESSÃO DAS UNIDADES LIBERTADORAS.

A PRESSÃO AUMENTOU TAMBÉM NO ACESSO A KARKIV, A 2ª CIDADE DO PAÍS.

A LUTA DE LIBERTAÇÃO NA UCRÂNIA REPERCUTE NO TABULEIRO DO HÍBRIDO EU/NATO, POR QUE A EUROPA, TODA ELA É TAMBÉM UMA PLATAFORMA A LIBERTAR COM A MUDANÇA DE PARADIGMA!

A UCRÂNIA VAI DEIXAR DE SER UM BORDEL DOS UKRONAZIS E DA NATO!

“Durante a operação especial, observamos rigorosamente as normas do direito humanitário. Os ataques são realizados com armas de alta precisão na infraestrutura militar das Forças Armadas da Ucrânia – postos de comando, aeródromos, armazéns, áreas fortificadas, instalações do complexo militar-industrial. Ao mesmo tempo, tudo é feito para evitar baixas entre os civis. Claro, isso diminui o ritmo da ofensiva, mas vamos deliberadamente”

Ministro da Defesa da Federação Russa, no fórum de Defesa da Organização de Cooperação de Xangai, a 24 de Agosto de 2022, em Taskent, capital do Uzbequistão.

Implementando a mudança de paradigma em estreita identidade com Não-Alinhamento e Sul Global, a Rússia está a dar tempo à maturação libertária dos Estados Unidos e do seu híbrido-dilecto, a EU/NATO, ao compasso da cadência da luta popular de libertação na Ucrânia!

 

01– Durante o mês findo as forças libertadoras aplicaram-se com os seguintes parâmetros:

  • Medidas de pressão directa (todo-o-terreno) nas regiões de Karkiv (a norte), do Donbass (a leste) e de Nikolaiv (a sul), visando a destruição dos baluartes construídos desde 2014 pelos ukronazis, as suas linhas de comunicação e os seus movimentos de forças; nesse sentido Karkiv e Nikolaiv, sendo alvos, são as pontas das pinças do sistema criado numa meia-lua em tenaz;
  • Largo espectro de potentes acções pontuais de precisão no restante território visando as concentrações localizadas de efectivos, depósitos de material, ´paióis e cisternas de combustível, ao mesmo tempo que continuaram a ser atingidas centrais de alimentação energética de linhas reduzindo a mobilidade ferroviária;
  • Afinação do conceito da operação especial visando provocar o maior desgaste possível às forças do regime EuroMaidan, na razão inversa de perdas civis e de suas próprias perdas.

Em todos os casos o papel da artilharia, após o domínio do espaço aéreo e do aumento da capacidade geral de intercepção de munições inimigas antes de conseguirem atingir seus alvos, está em primeiro plano:

  • Atacam-se as unidades que estão dispersas nos ambientes rurais, ou nos arredores das cidades de forma a neutralizar todos os entrincheiramentos;
  • Rebentam-se com os baluartes de betão onde quer que eles se encontrem, assim como com capacidades subterrâneas e esconderijos militarizados;
  • Estimulam-se duma forma geral as linhas de força de cerco às cidades a partir do domínio dos campos, como forma de consolidar as posições em áreas já libertadas ou em vias de libertação.

O conceito da operação contrasta com a conformada operacionalidade do regime EuroMaidan, que não se coíbe quer na utilização de instalações civis e, ambientes urbanos ou rurais, nem se coíbe em ter como alvos comunidades civis, demonstrando o modo de comportamento da NATO!

Um outro aspecto a realçar é que está patente a superioridade do armamento das forças libertadoras em relação ao armamento “ocidental”, em praticamente todos os itens, o que provoca perdas consideráveis de homens e equipamentos ao serviço dos ukronazis, de tal forma que a operação de libertação comporta mensagens que a União Europeia e a NATO já tiveram tempo de interpretar, por que não só não tem soluções militares compatíveis e mantêm inalterável a mentalidade colonial das oligarquias europeias, como também por esta última razão manifesta incapacidade para minimamente levar em conta que a segurança comum entre si e a Federação Russa é o caminho a seguir iniciando a mudança de paradigma!

 

02- Em torno de Karkiv as forças libertadoras tomaram algumas localidades e intensificaram o uso da artilharia, conjugada com ataques aéreos e uso de mísseis de alta precisão, desmantelando algumas unidades ukronazis…

No Donbass em torno de Seversk, Artemovsk, Konstantinovka, Soledar, Bakmut, Adviivka e Mariinka os combates directos são mais acesos, mas para oeste desse cordão, Slaviansk e Kramatorsk têm constituído também alvos de contenção, de forma a fixar e desgastar forças inimigas que apoiam a linha da frente…

A localidade de Pesky, que integra a área de Bakmut, foi a localidade mais importante tomada durante este período no Donbass.

No sul as forças de libertação em torno de Kherson contiveram tentativas de ataque dos ukronazis e na resposta estão a aumentar a pressão, tomando alguns assentamentos na direcção de Nikolaiv, ao longo da margem direita do curso final do Dniepre.

O ataque do regime EuroMaidan a estruturas importantes como a usina nuclear de Zaporozhye em Energodar (considerada a maior da Europa), ou a ponte Antonovski (que dá acesso a Kherson a partir da localidade de Alyosha, na margem esquerda do Dniepre), em função de tiros de grande alcance de artilharia e mísseis fornecidos pelos “ocidentais”, obrigam a que o cordão de segurança a Kherson se alargue e Nikolaiv possa mesmo vir a ser tomada num horizonte próximo.

As leituras à volta da questão do bombardeamento da central nuclear indiciam também a mentalidade colonial das elites que tardam em reconhecer, de tão enquistadas que estão em sua cumplicidade com o golpe de EuroMaidan, que o regime instalado em Kiev é o responsável material por uma potencial catástrofe se persistir nos actos que estão a ser divulgados colocando a descoberto a sua propaganda ukronazi!…

A cegueira é ainda tanta que as oligarquias europeias não reconhecem que o sucedâneo de seu maquiavelismo pode uma vez mais, alargando os danos económicos que os povos europeus já estão a sofrer antes do inverno, voltar-se também contra a própria Europa!

 

03- A Ucrânia é apenas um dos fulcros da tensão entre a multilateralidade que segue as Carta das Nações Unidas enquanto parâmetro de respeito e a unilateralidade que para manter a mentalidade colonial sustenta regras que atentam sobretudo contra o Não-Alinhamento sustentado pelo Sul Global.

O outro fulcro da tensão mais evidente é o processo da integração de Taiwan na República Popular da China, alvo da subversão de quem pretende impor as regras de seu exclusivo interesse e conveniência.

Outros fulcros foram ocorrendo, como na Síria resistente e vitoriosa sobre as políticas hegemónicas difusoras de caos, de terrorismo e de desagregação!

Ainda este verão não terminou e já em Mariupol, na cidade que foi palco e prova de sua subversiva implantação, eclodirá um Tribunal para julgamento dos terroristas do “Batalhão” Azov feitos prisioneiros, neonazis seguidores de Stepan Bandera que constituídos antes numa rede “stay behind” da NATO, deram substância activa ao regime parido em EuroMaidan.

O Tribunal terá observadores internacionais da Bielorrússia e da Síria, países que reconheceram as Repúblicas Populares do Donbass e como tal têm esse direito…

Nesse Tribunal, que espero que seja como um dia foi em Angola (“Tribunal Popular Revolucionário”) as entranhas do regime de golpistas, promovido com a vassalagem e a cumplicidade colonial do híbrido EU/NATO, serão expostas com factos irrefutáveis, que tornarão ainda mais invernosa a sustentabilidade das oligarquias europeias já a braços com o “efeito boomerang” de seus próprios actos “invernosos” que estão já a tornar a vida na Europa num purgatório para os povos!

De tanto caos semearem, de tanto terrorismo insuflarem, de tanta desagregação cultivarem (é só constatar o que aconteceu com a Jugoslávia, sem ir mais longe), o caos, o terrorismo e a desagregação cairá como uma espada nas cabeças dos oligarcas europeus!

A oportunidade dos povos europeus se começarem a libertar da opressão da hegemonia unipolar está a chegar e para tal, entre muitas coisas que há a fazer, há também que expor as entranhas do monstro!

Uma comparação concorre para a avaliação do que está em jogo: as maneiras como no imenso espaço multicultural e multilateral russofónico foi celebrado o Dia da Bandeira Russa e o modo neonazi como foi assinalado o Dia da Independência da Ucrânia, em função do espectro do império da hegemonia unipolar, datas muito próximas desta mesma publicação!

Círculo 4F, Martinho Júnior, 25 de Agosto de 2022.

D:\PRODUÇÕES\2022\MJ - AGO 22\CÍRCULO 4F..jpg

 

Imagem: Seis meses depois, os EUA adicionam combustível à crise na Ucrânia com ajuda de US $ 3 bilhões à medida que a ordem mundial se altera, a hegemonia do Ocidente enfraquece – Já se passaram seis meses desde que o conflito militar Rússia-Ucrânia explodiu em fevereiro, e a crise se transformou em batalhas difíceis sem um final claro à vista. Enquanto os EUA e a OTAN continuam a atiçar as chamas quando o governo Biden anunciou quase US $ 3 bilhões em ajuda militar a Kiev na quarta-feira, também no Dia da Independência da Ucrânia, a Rússia afirmou que retardou deliberadamente seu avanço militar na operação militar especial na Ucrânia. «para reduzir as baixas civis» – https://www.globaltimes.cn/page/202208/1273803.shtml.

Textos a consultar:

Comments are closed.